Política

Estado do Rio registra o menor número de homicídios dolosos em 30 anos

Os homicídios dolosos registrados no Estado do Rio de Janeiro apresentaram queda de 19% em julho deste ano em comparação com o mesmo mês de 2019



Esse foi o menor número para o indicador em toda a série histórica, iniciada em 1991 pelo Instituto de Segurança Pública (ISP). Foram 313 mortes em julho de 2019 e 255 em julho deste ano.

Também foi registrada a redução de 10% dos homicídios dolosos nos sete primeiros meses de 2020 em relação ao mesmo período do ano passado. De janeiro a julho deste ano, foram 2.153 vítimas contra 2.403 no mesmo período de 2019.

Indicadores estratégicos

Homicídio doloso: 2.153 vítimas nos sete primeiros meses de 2020 e 255 em julho. Os números são os menores para o acumulado do ano e para o mês desde 1991. Na comparação com 2019, o indicador caiu 10% em relação ao acumulado do ano e 19% em relação a julho.

Crimes violentos letais intencionais (homicídio doloso, roubo seguido de morte e lesão corporal seguida de morte): 2.219 vítimas nos sete primeiros meses de 2020 e 266 em julho. Os números são os menores para o acumulado do ano e para o mês desde 1999. Na comparação com 2019, o indicador apresentou diminuição de 11% em relação ao acumulado do ano e de 20% em relação a julho.

Roubo seguido de morte (latrocínio): 47 vítimas nos sete primeiros meses de 2020 e sete em julho. Na comparação com o ano passado, foram 34 mortes a menos em relação ao acumulado do ano e seis a menos em relação a julho.

Morte por intervenção de agente do Estado: 825 mortes nos sete primeiros meses de 2020 e 50 em julho. Na comparação com o ano passado, o indicador apresentou queda de 24% em relação ao acumulado do ano e de 74% em relação a julho.

Roubo de carga: 3.100 casos nos sete primeiros meses de 2020 e 544 em julho. Na comparação com o ano passado, houve uma queda de 34% em relação ao acumulado do ano e de 21% em relação a julho.

Roubo de veículo: 15.616 ocorrências nos sete primeiros meses de 2020 e 1.819 em julho. Na comparação com o ano passado, o decréscimo foi de 37% em relação ao acumulado do ano e de 43% em relação a julho.

Roubo de rua (roubos a transeunte, de aparelho celular e em coletivo): 43.808 registros nos sete primeiros meses de 2020 e 6.045 em julho. Na comparação com o ano passado, o número de casos caiu 42% em relação ao acumulado do ano e de 40% em relação a julho.

Crimes durante a quarentena

Monitor da Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher no Período do Isolamento Social

Entre o dia 13 de março, quando foi adotado o distanciamento social no Estado do Rio, a 31 de julho, houve redução das ocorrências de violência contra a mulher registradas nas delegacias da Secretaria de Estado de Polícia Civil: 50,8% no número de mulheres vítimas de violência moral; 49,4% no de violência patrimonial; 45,5% das vítimas de violência psicológica; 34,6% dos casos de violência sexual; e de 34,2% das vítimas de violência física. Os crimes tipificados pela Lei Maria da Penha também apresentaram diminuição: 35,3%.

Apesar da queda dos registros das transgressões analisadas, a proporção de crimes mais graves que ocorreram em casa aumentou. No período estudado em 2020, 66,4% do crime de violência física (60,1% em 2019) e 66,6% de violência sexual (57,7% em 2019) aconteceram dentro de casa.

O número de ligações para a Central de Atendimento do Disque Denúncia diminuiu 17,2% para casos de violência contra mulher. Por outro lado, as ligações recebidas pelo Serviço 190 da Secretaria de Estado de Polícia Militar referentes a crimes contra a mulher registraram um aumento de 13% em relação aos mesmos dias do ano passado.

No entanto, em uma análise mais detalhada ao longo desse período, observa-se que, desde o fim de maio, o registro de vítimas mulheres vem aumentando e, no mês de julho deste ano, os números estão voltando a se aproximar do patamar observado em 2019. Já a quantidade de ligações para o Serviço 190 e para o Disque Denúncia permanece relativamente estável nos últimos meses do período do isolamento.

Na análise mensal, foram registradas três vítimas de feminicídio a mais em julho de 2020 em relação ao mesmo mês do ano passado: oito casos neste ano contra cinco em 2019. O total de crimes com vítimas mulheres que foram registrados sob a Lei Maria da Penha teve um declínio de 10% em julho (5.007 em 2020 e 5.592 em 2019), porém, ao comparar com junho de 2020, houve um aumento de 19%. Os estupros com vítimas mulheres registraram estabilidade no mês de julho quando comparado com o mesmo mês do ano anterior. Foram 330 vítimas mulheres em julho deste ano, seis a menos do que em julho de 2019.

Para mais informações sobre o Monitor da Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher no Período do Isolamento Social, acesse o link http://www.ispvisualizacao.rj.gov.br/monitor.

Estelionato

O número de estelionatos apresentou aumento de 67% em julho em relação ao mesmo mês em 2019: foram 6.058 casos neste ano, o maior valor da série histórica. Na comparação com junho de 2020, o crescimento foi de 16%. O número de estelionatos ocorridos em ambiente virtual passou de 339 casos, em julho de 2019, para 1.616, em julho deste ano, quase cinco vezes mais.

Postar um comentário

0 Comentários