Política

Caravana Da Setur-DF Leva Ações De Estruturação, Qualificação E Promoção Do Turismo Para Ceilândia

         A sexta edição do Turismo em Ação contou com a participação de empresários da cadeia produtiva para conhecerem programas de fomento para ao setor; o evento também contou com a inauguração do Centro de Atendimento ao Turismo, além de visitas técnicas a empreendimentos voltados para o turismo rural

A Secretaria de Turismo do DF (Setur-DF) esteve nesta terça-feira (25), na Região Administrativa de Ceilândia para consolidar ações que vão colocar a cidade no roteiro turístico do Distrito Federal. Essa foi a sexta edição do programa Turismo em Ação, com o objetivo de integrar a cidade nas rotas de atrações turísticas do Distrito Federal. Para isso, o programa itinerante inaugurou o Centro de Atendimento ao Turista (CAT), dentro da Casa do Cantador, entregou carteiras nacionais do artesão, conversou com empresários locais e visitou pontos de potencial valor turístico.

As atividades contaram com a presença da secretária do Turismo do DF (Setur-DF), Vanessa Mendonça; do administrador da Ceilândia, Marcelo Piauí; do diretor da Casa do Cantador, José do Cerrado; presidente da Feira Central de Ceilândia, Jonathan Araújo; da coordenadora do SESC Ceilândia, Elizângela Barros; do gerente geral da Agência Ceilândia Sul do BRB, Aloísio Borges; do secretário executivo da Setur-DF, Rodrigo Costa; e de representantes de órgãos de segurança, lideranças locais, artesãos e empresários do setor.



“O legado das ações do governo do Distrito Federal em Ceilândia vai representar uma virada de chave na cidade. O turismo representa apenas uma parte do trabalho integrado que é realizado em todas as RA’s por todas as secretarias de estado. O Turismo em Ação vai mapear o turismo gastronômico, o turismo arquitetônico, o turismo rural, o ecoturismo, o turismo de experiência e todas as potencialidades desta importante cidade do Distrito Federal”, afirmou a secretária de Turismo, Vanessa Mendonça.

O administrador de Ceilândia, Marcelo Piauí, ressaltou a importância das ações de fortalecimento do turismo na região desenvolvidas pela Setur por meio do programa Turismo em Ação. “Aquele turista que chegar hoje ao aeroporto e que chegar a Brasília vai saber o que é a cidade de Ceilândia e o que ela pode oferecer. O CAT está preparado para chamar esse turista para visitar a cidade, conhecer as feiras, para conhecer a história da cidade, a riqueza da área rural e toda a rota turística que está sendo preparada. As pessoas vão se surpreender com Ceilândia”, afirmou.

“Ceilândia precisa desse olhar diferenciado que está abrindo as portas e mostrando as belezas da nossa cidade, que são muitas. Sou a segunda geração de feirantes e sei o quanto o comércio e a gastronomia são importantes pro turismo da nossa cidade”, disse o presidente da Feira Central de Ceilândia Jonathan Araújo. A feira,  uma os atrativos da cidade, possui hoje 463 feirantes cadastrados e é considerada um dos maiores pontos da cultura nordestina fora do Nordeste. O visitante encontra de tudo: roupas, carnes, temperos, queijos, mas o ponto forte do local é a gastronomia nordestina

Programa de Fomento ao Turismo 

Vanessa Mendonça destacou a importância do Fundo Geral do Turismo (Fungetur) no fomento de atividades do turismo, inclusive do artesanato. O Fungetur estabeleceu uma linha de crédito histórica junto ao Banco de Brasília (BRB), instituição financeira responsável por operar o repasse de R$ 521 milhões feito pelo Ministério do Turismo. “O setor do turismo foi o que mais sofreu com a pandemia, no entanto, vai ser o primeiro a se recuperar. Essa linha de crédito pode ser a ajuda que os empresários e empreendedores precisam para se prepararem para a retomada das atividades, reformando ou criando novos espaços, produções ou atrações nos seus empreendimentos”, disse a secretrária.

A subsecretária de Promoção e Marketing da Setur-DF, Daniele Faria Lopes, que fez a abertura do evento, explicou que a Setur está fazendo uma ponte para dar conhecimento aos empresários sobre o fundo e possibilitar a requisição junto ao BRB. “Para ter acesso a essa linha de crédito é preciso estar cadastrado no Sistema de cadastro de pessoas físicas e jurídicas que atuam no setor de turismo, o Cadastur. É uma indústria com alto poder de transformação e a população precisa de apropriar dos produtos do turismo”.

Vanessa Mendonça destacou, ainda, o simbolismo de o Centro de Atendimento ao Turista estar localizado dentro da Casa do Cantador. “Essa magnífica obra arquitetônica é a única feita por Oscar Niemeyer fora do Plano Piloto. Ter um CAT aqui significa abrir as portas do turismo da cidade. Vamos criar a rota de Ceilândia e disponibilizá-la pelo Google Earth. Aqui o turista vai ter acesso a todas as informações das quais ele precisa para conhecer a cidade. Ceilândia também é turismo, é gastronomia, é cultura”, finalizou.



Atendimento ao Turista

Na oportunidade também foram entregues os Certificados de Qualificação aos servidores da administração local que fizeram o curso de atendimento do CAT, inaugurado durante o evento. O assessor da Administração de Ceilândia, Diego Ribeiro Otaviano, recebeu o certificado e considera a capacitação um ganho profissional. Para ele, foi uma oportunidade de conhecer uma Brasília até então desconhecida, uma vez que representantes de todas as regiões administrativas tiveram a oportunidade de mostrar um pouco da sua cidade.

Vanessa Mendonça destacou,ainda, o simbolismo de o Centro de Atendimento ao Turista estar localizado dentro da Casa do Cantador. “Essa magnífica obra arquitetônica é a única feita por Oscar Niemeyer fora do Plano Piloto. Ter um CAT aqui significa abrir as portas do turismo da cidade. Vamos criar a rota de Ceilândia e disponibilizá-la pelo Google Earth. Aqui o turista vai ter acesso a todas as informações das quais ele precisa para conhecer a cidade. Ceilândia também é turismo, é gastronomia, é cultura”, finalizou.

Artesanato 

A entrega das Carteiras Nacionais do Artesão foi outro ponto alto do evento. A mestre artesã Maria Dalva Barbosa Oliveira (69) foi uma dos 13 artesãos que receberam a identificação. Dona Dalva faz flores do cerrado desde 1973. Hoje tem uma banca na Feira da Torre de TV e se orgulha de ter criado os cinco filhos com a renda do artesanato. “O artesão tem que lutar sempre, pois é uma vida de altos e baixos. O mais importante é não deixar o sonho morrer e passar o ofício para as próximas gerações. A carteira do artesãé uma vitória e um reconhecimento que recebo com muita alegria”, disse orgulhosa.

O secretário executivo da Setur-DF, Rodrigo Costa, disse aos artesãos e empresários que o turismo foi incluído no desenvolvimento estratégico do Distrito Federal por uma grande indústria geradora de emprego e renda. “O artesão quando tem a oportunidade de vender seu trabalho a um turista está movendo toda uma cadeia produtiva”, falou Rodrigo Costa.

 

Turismo rural

A caravana do Turismo em Açãtambém aproveitou a oportunidade e fez visitas técnicas a três empreendimentos de turismo rural e ecoturismo localizados na região: a Chácara do Galo, o Clube Campestre Gravatá e a Chácara das Águas. O objetivo foi identificar as melhorias que precisarão ser feitas, como acesso, sinalização e infraestrutura para entregá-los à comunidade e fomentar o turismo local.

A Chácara do Galo, pensada inicialmente para produzir hortaliças, é administrada pelo casal de libaneses Imad Aboul Ezz e Nujoud Barahd. A família decidiu ampliar as atividades com a crise gerada pela pandemia e unir turismo rural, gastronômico e de lazer num só espaço. Para isso, Imad Aboul foi a Gramado buscar referências para o empreendimento. Hoje a Chácara do Galo oferece duas piscinas, sendo uma semi-olímpica, salão de festas, um restaurante que valoriza as culinárias árabe,libanesa e goiana, coreto com piso de vidro sob um tanque onde cria tilápias, três chalés e está sendo construído um segundo salão com previsão de camarim para a noiva e mais quartos para hospedagem.

Podemos atender até mil pessoas por dia, no entanto, neste período de pandemia estamos restringindo o atendimento a grupos de família. Nos finais de semana, recebemos quase 250 pessoas por dia. Nós acreditamos que o sucesso é fruto do cuidado e das atrações que oferecemos. Estamos nos reinventando pelo turismo rural, gastronômico e de entretenimento”, disse Imad.

Outra opção que o Turismo em Ação conheceu é um grande empreendimento familiar: o Clube Campestre Gravatá. A estrutura oferece um parque aquático com oito piscinas, tobogãs, restaurantes, trilhas e uma praia na nascente do Rio Salta Fogo e tem capacidade para receber até três mil e quinhentas pessoas por dia. O proprietário, Jaime Pereira Sardinha, afirma que a maior gratificaçãé quando recebe as crianças de escolas públicas e privadas e pode falar da botânica e flora, que carinhosamente cuida pessoalmente.

O último empreendimento fica às margens do Rio das Pedras, tem duas piscinas, restaurante, churrasqueiras e oferece trilhas e banho no rio. Além disso, os amantes de gemas podem conhecer uma espécie de museu de gemas construído pelo pai dos proprietários Jamene e Palom Braga. O visitante pode levar sua comida e bebida, pagando apenas a entrada. O Clube das Águas é uma excelente opção de ecoturismo, de turismo de aventura, de turismo rural e de lazer. Os proprietáriosapostam na retomada da atividade pós-pandemia e estão investindo na estrutura.

“Nunca tivemos esse apoio para fortalecer o turismo na região. Hoje tenho segurança de que a Chácara das Águas vai se tornar um ponto de referência do ecoturismo e do turismo rural do Distrito Federal. Estamos comprando mais duas piscinas e três ofurôs, todos terãágua aquecida para quem não quiser água fria do rio. Quando a pandemia acabar estaremos prontos para receber o visitante com uma estrutura melhor”, contou Palom.

O presidente do Sindicato de Turismo Rural e Ecológico do DF e Entorno, Fernando Mesquita, está no segmento do turismo rural há mais de dez anos e entende que as iniciativas de promoção do turismo da Setur-DF, neste momento de pandemia, são de extrema relevância. “O turismo está sofrendo muito com a pandemia. No entanto, o turismo rural cresceu 40% porque as pessoas, uma vez que, não podendo mais viajar, estão buscando conhecer os espaços mais próximos. A secretária Vanessa Mendonça está ajudando a dar visibilidade a esse segmento”, finalizou Mesquita. 

Postar um comentário

0 Comentários