Planos de saúde têm 1 milhão de adesões durante a pandemia em todo o país; no DF são mais de 20 mil clientes novos



Segundo a FenaSaúde, os planos têm, atualmente, 48 milhões de beneficiários, o maior número desde setembro de 2016.

Um levantamento divulgado pela Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde) a partir de dados disponibilizados pela Agência Nacional deSaúde Suplementar mostram que os planos de saúde ganharam a adesão de 1 milhão de beneficiários durante a pandemia do novo coronavírus no Brasil, 

Segundo a FenaSaúde, os planos têm, atualmente, 48 milhões de beneficiários, o maior número desde setembro de 2016. O aumento foi maior nos planoscoletivos empresariais, que cresceram 2,48%. A adesão dos idosos nesses planos foi ainda maior, com uma expansão de 3,8% de pessoas com mais de59 anos. Na faixa abaixo dessa idade, o aumento ficou em 2,36%.

Os planos individuais e familiares tiveram alta de 0,07% no número de novos beneficiários. Entre os idosos o índice ficou em 2,65%, contra uma queda de0,9% com menos de 59 anos.

A advogada especialista em contratos de plano de saúde Denise Martins Costa explica que o motivo desse crescimento de novos clientes.

"O primeiro motivo do crescimento de novos usuários é a pandemia da Covid-19 que o Brasil está atravessando desde o ano passado. Em seguida, destacamos que os preços estão mais acessíveis. Isso não quer dizer que estão mais baratos. Mas estão mais acessíveis" pontua a especialista.

Crescimento no DF

Os estados em que houve o maior crescimento no número de clientes foram São Paulo, Minas Gerais e Goiás. Só em abril, foram 150,6 mil usuários a mais na comparação com março.

No Distrito Federal o número também foi positivo: 19.158 usuários novos. Além dos aspectos levantados pela especialista em contratos de plano de saúde, Denise Martins, para esse crescimento, a capital do país vai além.

"Novos planos e operadoras de plano de saúde entraram no mercado. Elas chegaram com preços menores se formos comparar com a concorrência", explica Denise.

Aumento da utilização

Durante a pandemia os planos também tiveram alta na utilização, tanto pelos pacientes com covid-19, como para outras necessidades. 

De acordo com o levantamento, em março a ocupação de leitos em unidades de terapia intensiva de pacientes com o novo coronavírus ficou em 80%. O índice de uso de leitos para outras enfermidades registrou 73% no mês passado.

Reajustes

Os reajustes dos planos de saúde têm sido questionados pelo Procon de São Paulo, que entrou com uma ação civil pública para pedir explicações as operadoras. Segundo o órgão de defesa do consumidor, em janeiro foram registradas 962 reclamações sobre o assunto.

A FenaSaúde aponta não só os gastos elevados durante a pandemia, mas um aumento geral de custos de R$ 31 bilhões nos últimos três anos.

Postar um comentário

0 Comentários