Jasmine Alimentos assina acordo de cooperação para melhorar condições de trabalho na cadeia produtiva da castanha-do-pará

Divulgação: Jasmine Alimentos

GT Castanha 2030, coordenado pela OIT, MPT e ONU, pretende apoiar mais de 60 mil famílias que atuam no seto

Em uma iniciativa transformadora, a Jasmine Alimentos assinou um acordo de cooperação com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), Ministério Público do Trabalho (MPT) e Pacto Global (ODS) para aderir ao "Grupo de Trabalho da Cadeia Produtiva da Castanha-do-Pará 2030" visando melhorar as condições de trabalho das pessoas que trabalham no cultivo e na colheita do fruto, que é utilizado por muitas indústrias brasileiras.

Segundo dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), essa cadeia produtiva movimenta em torno de US$450 milhões por ano no mundo. O órgão ainda afirma que esse mercado promove importantes benefícios sociais, econômicos e ambientais para o país, pois agrega mais de 60 mil famílias de extrativistas e agricultores familiares, na região norte do Brasil. 

Apesar do importante papel da cadeia produtiva da castanha-do-pará no Brasil, as condições de trabalho dessas famílias ainda são precárias. Segundo o relatório da Organização Mundial do Trabalho (OMT), são comuns acidentes de trabalho por conta de longas jornadas de trabalho e da falta de condições adequadas. Porém, a informalidade gera subnotificação dos acidentes de trabalho e outras situações. 

Segundo o estudo da OMT, 87,13% dos entrevistados já contraíram malária. Ainda, 46,53% alegaram sofrer de problemas na coluna devido aos esforços despendidos em transportar as castanhas. Isso sem contar as picadas de animais peçonhentos, como cobra (74,26%) e escorpião (41,58%). 

Outro problema recorrente apontado pelo estudo é o trabalho infantil, com indícios de escravidão. Crianças a partir de 8 anos já trabalham com suas famílias na cadeia produtiva da castanha. 

GT Castanha 2030

O "Grupo de Trabalho da Cadeia Produtiva da Castanha-do-Pará 2030" tem como propósito mudar essa realidade, conscientizando empresas a adotarem ações de controle e orientação dos fornecedores para melhorar as condições de trabalho dessas famílias. 

Uma das primeiras companhias a assinarem esse pacto foi a Jasmine, que é uma das líderes no segmento de alimentos saudáveis no Brasil. O acordo de cooperação com a OIT, MPT e o Pacto Global da ONU estabelece uma responsabilidade coletiva, na qual a empresa terá comprometimento em ajudar a melhorar as condições de trabalho e a cadeia produtiva da castanha-do-pará.

Apesar de o termo não ter valor jurídico, a empresa está empenhada em tal iniciativa. "Temos compromisso com a vida e o bem-estar individual e social. Diariamente, ajudamos a promover um estilo de vida natural e saudável para nossos clientes, colaboradores e parceiros. Isso está em nosso DNA, assim como a responsabilidade social e a sustentabilidade", reforça a diretora de marketing da Jasmine Alimentos, Thelma Bayoud. 

Comprometida com a sustentabilidade ambiental e social do setor, a empresa está adotando termos de due diligence com seus fornecedores. Ou seja, antes de fechar um contrato, a Jasmine faz uma análise detalhada do histórico e da reputação do fornecedor para determinar se a empresa está alinhada com os valores da campanha para melhorar as condições de trabalho da cadeia produtiva da castanha-do-pará. 

Treinamento aberto para os participantes

Durante o mês de outubro, colaboradores da Jasmine Alimentos participam de treinamentos sobre a "Promoção da devida diligência para enfrentar o trabalho escravo e infantil em cadeias produtivas”, organizado pela OIT, pela Rede Brasil do Pacto Global e pela Condhu -  Direitos Humanos e Meio Ambiente. 

Durante os encontros, especialistas nacionais e do exterior vão discutir a importância e o papel do setor privado para o fim do trabalho escravo infantil. A equipe da Jasmine irá participar de dinâmicas em grupo para entender as quatro etapas do processo de diligência: 

  • Avaliação de Riscos e Impactos aos Direitos Humanos; 
  • Integração e Ação; 
  • Monitoramento; 
  • Comunicação e Reporte.

Dessa forma, a empresa estará ainda mais alinhada com o propósito de melhorar as condições de vida e trabalho de todas as famílias que fazem parte da cadeia produtiva da castanha-do-pará. "É mais um passo importante dentro do nosso objetivo de melhorar a vida das pessoas e promover uma sociedade mais justa e próspera", finaliza Thelma.

 

Sobre a Jasmine Alimentos

A Jasmine Alimentos é uma empresa referência em alimentação saudável. Com produtos categorizados em orgânicos, zero açúcar, integrais e sem glúten, a marca visa atingir o público que busca alimentos saudáveis de verdade e qualidade de vida. A operação da Jasmine começou de forma artesanal há 30 anos, no Paraná. A Jasmine está consolidada em todo Brasil e ampliando sua atuação para a América Latina. Desde 2014, a marca pertence ao grupo francês Nutrition et Santé, detentor de outras marcas líderes no segmento saudável na Europa. Mais informações: www.jasminealimentos.com 


 

Postar um comentário

0 Comentários