Neoenergia

Escalada: esporte em crescimento no Brasil e no DF

Saiba mais sobre as modalidades, regras, cenário atual do esporte e a rotina de dois atletas amadores

por Ana Morbach


Por definição, a escalada é um esporte que utiliza as técnicas e movimentos do montanhismo. Na prática, o atleta deve encontrar diferentes meios para ultrapassar os obstáculos independente do cenário em que estiver realizando a atividade. Podendo ser praticada individualmente ou em grupo, a escalada oferece ao atleta o objetivo de chegar ao topo do local escolhido, trabalhando, com ênfase, no uso da força, da concentração e da estratégia.

De acordo com o veículo Mundo Educação, atualmente, há um total de 8 modalidades principais, sendo elas: escalada de bloco, artificial, esportiva, indoor, tradicional, bigwall, alpina e em alta montanha (alpinismo). Entre os equipamentos básicos para a prática do esporte, que são fundamentais em todas as modalidades, o atleta lida com cordas, sapatilha para escalada, para proporcionar equilíbrio, e capacete. Ainda de acordo com o veículo, o primeiro campeonato oficial de escalada é datado do ano de 1985. No Brasil, o esporte começou a ser praticado no final dos anos 80.

Nas palavras do professor do curso de Educação Física do Centro Universitário IESB, Sérgio Neves, o esporte é crescente no Brasil e no DF, porém, ainda é pouco praticado. Para a expansão, o professor acredita na necessidade de democratização de muros públicos com manutenção contínua, custos mais baixos para aquisição de equipamentos, e o aumento de profissionais da área para auxiliar futuros atletas.

“É necessário que as associações incentivem a formação de profissionais de educação física pois esses estão atuando nos diversos setores sociais, classes e idades, podendo estimular tal prática e adequá-las a descobrir talentos”, revela.

Sérgio levanta o argumento de que, ao lado de educadores especializados na escalada, o acompanhamento de um profissional de educação física é vital para o atleta, pois, dessa forma, o mesmo pode trabalhar com maior rendimento. A prática da escalada aumenta a resistência, trabalha pernas, braços e abdômen e ajuda a alongar o corpo.


Em 1989, foi realizado o I Campeonato Sul Americano de Escalada Esportiva, em Curitiba / Foto: Unsplash
No DF

Dentro do cenário brasiliense, há 3 academias especializadas em escalada que se destacam. São elas a UBT Escalada; Primata Centro de Escalada e Eleva – Academia de Escalada.

Dedicando-se, principalmente, à Escalada Indoor, modalidade em que são utilizados muros e paredes artificiais, a UBT Escalada oferece minicursos e aulas, em grupo e individuais, para aqueles que desejam começar no esporte. Trabalhando com todas as faixas etárias, a academia promove aulas especializadas para crianças, jovens e adultos. Nas aulas, o aluno aprende desde as técnicas da escalada em si, bem como como, todo o processo que a envolve, incluindo oficinas de queda, de cuidados com o corpo, entre outras também são para conhecimento do aluno.

Segundo Alexandre Pimentel, atleta de escalada há mais de 12 anos e professor da UBT, o grande diferencial é a questão da mudança de locais. Quase toda semana, a equipe escolhe um pedaço do muro, retira todas as agarras e monta caminhos novos de todas as dificuldades. Dessa forma, os atletas fogem da mesmice do ambiente e são capazes de enfrentar novos desafios. Com relação ao cenário do esporte no DF, Alexandre acredita, sim, no crescimento que vêm dos últimos anos e revela que parte dele vem da introdução oficial da escalada como modalidade olímpica.

“Com a escalada sendo adicionada como esporte olímpico também houve um grande aumento na verba disponibilizada para a realização de campeonatos e o desenvolvimento e especialização de treinadores. Isso desperta um maior interesse nas pessoas”, afirma.
Atletas

No campo amador, conheça a história e a rotina de 2 atletas de Brasília com experiência na Escalada.
Bibiana Terra

Começando a escalada por influência do irmão mais velho, Bibiana iniciou as práticas no esporte em 2016. Agora, com 21 anos, a estudante trabalha e pratica na UBT Escalada desde julho de 2021. Escalando de 3 a 4 vezes por semana, a rotina da atleta é influenciada por completo não só no quesito físico, mas também no emocional. Até este momento, Bibiana já participou de campeonatos e conquistou um prêmio na sua última competição. Com um longo caminho pela frente, ela comenta que não pretende se tornar profissional, mas levar como um hobbie para a vida.

“A escalada faz parte da minha vida quase todos os dias. Na UBT eu percebi que quando praticamos um esporte que tem mais contato com a natureza a alimentação das pessoas também é influenciada. A escalada é um esporte em que é possível ver a evolução com muita facilidade, então sempre estamos querendo evoluir mais e mais”, diz ela.

 
Em novembro, Bibiana Terra conquistou o terceiro lugar da categoria intermediário do campeonato interno da UBT / Foto: Arquivo Pessoal

João Inti
Se interessando desde cedo pela prática, João revela que a escalada sempre esteve presente em sua vida. Em 2016, começou a praticar o esporte em Brasília, porém, teve de dar uma pausa por conta dos estudos. Retornando em 2019 já em outra academia, o estudante voltou a se aventurar e, hoje, com 20 anos, faz parte da equipe de alunos da UBT.

No momento, outra pausa foi necessária por conta de uma lesão na mão esquerda. Apesar de também ser vista como um hobbie, João revela que o esporte afeta toda a sua rotina e o seu desempenho físico e emocional do cotidiano. Com a rotina de treinar no mínimo 3 vezes na semana, o atleta pratica, em média, durante 4 horas por dia.

“A escalada é muito importante para mim e uma das coisas mais prazerosas. Não só acho o melhor esporte que tem (toda a técnica envolvida, estratégia) como acho muito legal o lado social. É um esporte individual mas todo mundo vai com a galera, fica pegando dicas, etc. Com certeza afeta os meus hábitos, tanto de alimentação quanto de tentar manter o condicionamento físico”, revela.


João Inti possui experiência na modalidade de Escalada Indoor / Foto: Arquivo Pessoal
Paulo Melo

"Não viva para que a sua presença seja notada, mas para que a sua falta seja sentida." (Bob Marley)

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem