Caiado visita pais de menina assassinada e diz o que aconteceu "é inadmissível e inaceitável”

Na tarde desta quinta-feira (1º/12), Caiado esteve na casa da vítima, no setor Madre Germana 2, para prestar solidariedade aos familiares

Governador Ronaldo Caiado presta solidariedade à família de Luana Marcelo Alves, adolescente de 12 anos morta no início da semana em Goiânia - Fotos: Hergon Corrêa.

O governador Ronaldo Caiado visitou, na tarde desta quinta-feira (1º/12), a família da menina Luana Marcelo Alves, de 12 anos, vítima de assassinato no último domingo (27/11), no setor Madre Germana 2, em Goiânia. O chefe do Executivo estadual foi recebido pelo pai da menor, o comerciante Robson Marcelo dos Santos, e pela mãe, a diarista Jheiny Hellen.

“É difícil imaginar o que vocês estão passando com tamanha barbaridade. Não existem palavras para consolá-los nessa hora, mas fiz questão de vir aqui porque sou pai e infelizmente já passei por isso, dói na gente”, disse o governador Ronaldo Caiado em solidariedade ao mencionar a perda do filho em julho deste ano.


Caiado acompanhou, desde o início da investigação, o trabalho das forças de segurança para desvendar o desaparecimento de Luana, vista pela última vez ao sair de casa para comprar salgados em uma mercearia próxima. O caso está sob responsabilidade da Polícia Civil do Estado de Goiás (PCGO), que identificou a autoria do crime e representou pela prisão em flagrante do suspeito Reidimar Silva, de 31 anos, que também é acusado de tentativa de estupro.

O governador comprometeu-se ainda a fortalecer mais os mecanismos para coibir esse tipo de crime. “É inadmissível e inaceitável. É algo que não pode ser colocado como mais uma estatística”, assegurou. “Temos de tomar medidas que sejam protetivas à população do Estado de Goiás”, afirmou Caiado sobre a necessidade de avançar na legislação para que as pessoas com passagem por estupro tenham a liberdade limitada.

Em clima de consternação e muita tristeza, os pais da menina receberam o governador de forma reservada e não falaram com a imprensa. Para o avô paterno de Luana, José Eurípedes dos Santos, o que resta agora é saudade e o desejo de que a justiça seja feita. “O que fizeram com a minha neta eu não quero que aconteça com mais ninguém”.

O caso
Luana Marcelo Alves, de 12 anos, desapareceu na manhã do último domingo, após sair de casa a pé para comprar salgados em uma mercearia localizada a cerca de 300 metros de sua residência, no setor Madre Germana 2, em Goiânia. De acordo com a Polícia Civil, que teve acesso a imagens de câmeras de segurança, a menina fazia o caminho de volta quando foi abordada pelo suspeito em um carro.

O servente de pedreiro Reidimar Silva confessou ter matado a vítima, depois que ela resistiu a uma tentativa de estupro. Em depoimento, ele disse que asfixiou Luana, ateou fogo, enterrou no quintal e colocou cimento por cima, o que dificultou a localização do corpo. O homem também confessou ter consumido álcool e drogas na noite anterior ao crime.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
Comper
Sesc
Bio Caldo - Quit Alimentos