Opinião: Mauro Vieira e o futuro da chancelaria brasileira

João Alfredo Lopes Nyegray*


O presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, anunciou na sexta-feira, dia 9 de dezembro, o nome de quem irá comandar o ministério das Relações Exteriores a partir de 2023: o  embaixador Mauro Vieira, que chefiou o Itamaraty no segundo governo Dilma, entre 2015 e 2016, e é funcionário de carreira do ministério. Formado em Direito pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o futuro chanceler entrou na carreira diplomática em 1974.

Atualmente com 71 anos, Vieira trabalhou pelo Brasil entre 1982 e 1985 na Associação Latino-Americana de Integração (Aladi), em Montevidéu, na Embaixada do Brasil na Cidade do México entre 1990 e 1992, e na embaixada em Paris, de 1995 a 1999. Já foi embaixador na Argentina entre 2004 e 2010, e nos Estados Unidos ao longo de 2010 a 2015. No currículo, carrega também a representação do Brasil na Organização das Nações Unidas de 2016 a 2020. Atualmente, Mauro Vieira é o embaixador Brasileiro na Croácia, tendo sido designado para o cargo por Jair Bolsonaro.

É notável que não falta experiência ao futuro ministro, e é de alguém com esse perfil que o país necessita neste momento. As políticas ambientais brasileiras, muito criticadas pelo mundo, fizeram com que o Brasil não apenas perdesse protagonismo numa área que sempre liderou, mas também que ficasse isolado do mundo. O negacionismo à covid-19 e aos seus efeitos também contribuiu para uma acentuada perda de prestígio.

Ao assumir a presidência, Jair Bolsonaro afirmou que o Brasil teria um alinhamento automático aos Estados Unidos, e acabou fazendo críticas à China – que é nosso maior parceiro comercial. Esse alinhamento com os estadunidenses não trouxe ao Brasil nenhum grande benefício, nem a entrada na OCDE, nem acordos comerciais favoráveis. Em uma primeira reunião com o presidente eleito, Mauro Vieira mencionou o fortalecimento de laços tanto com EUA quanto com a China – o que é altamente estratégico em termos comerciais.

Mais do que isso, o futuro ministro precisará acelerar o acordo de livre comércio entre Mercosul e União Europeia, aprovado no final do governo Temer mas ainda não ratificado pelos parlamentos dos países europeus. A dúvida que fica agora é se a política externa desse novo governo Lula se pautará pela abertura desenfreada de embaixadas e consulados em países com os quais o Brasil não possui ligações culturais ou comerciais – como ocorreu nos primeiros governos do petista.

Esperamos que os esforços das Relações Exteriores sejam para  fortalecer a imagem do Brasil como um parceiro comercial sólido, facilitando a inserção de empresas e produtos brasileiros pelo mundo. É apenas um Brasil mais internacionalizado que destravará nosso crescimento econômico.

*João Alfredo Lopes Nyegray é doutor e mestre em Internacionalização e Estratégia. Especialista em Negócios Internacionais. Advogado, graduado em Relações Internacionais. Coordenador do curso de Comércio Exterior na Universidade Positivo (UP). @janyegray

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
Comper
Sesc
Bio Caldo - Quit Alimentos