Opinião: Polônia em risco? O acumulado de tensões da invasão à Ucrânia

João Alfredo Lopes Nyegray*


Foi num fatídico dia 1.º de setembro – em 1939 – que a invasão da Polônia acendeu o estopim da Segunda Guerra Mundial. O conflito que, àquela altura, era quase inevitável, iniciou-se oficialmente após o ataque ao território polonês. Ainda que a Segunda Grande Guerra tenha sido encerrada há 77 anos, os horrores que trouxe seguem muito vivos. Talvez por isso, a explosão no vilarejo polonês de Przewodów, que matou duas pessoas recentemente, tenha deixado o mundo todo numa apneia de receio. 

Logo após a explosão, o presidente polonês Andrzej Duda convocou o embaixador russo para explicações. Moscou, por óbvio, alegou que o ataque não foi seu e que partiu da Ucrânia. Por mais verdadeira que tenha se mostrado essa fala, ao momento em que foi proferida mais se pareceu como os tradicionais blefes russos. Após alegar que civis mortos em Bucha foram trabalho de Kiev, assim como em Kharkiv ou em Zaporizhzhya, pouca credibilidade resta às afirmações moscovitas. 

No fim, as explosões em Przewodów foram uma tentativa da defesa ucraniana de interceptar mísseis russos. Um ato falho, possivelmente não deliberado, que causou mais duas mortes civis que se somam ao acumulado de corpos não beligerantes que a guerra tem deixado como rastro. Os destroços analisados inicialmente mostravam restos do sistema de defesa S-300, de fabricação russa – o que, momentaneamente, foi visto como um ataque do Kremlin – mas que estão sendo usados pela Ucrânia como sobras da Guerra Fria – o que trouxe um certo alívio. 

O grande perigo de um ataque à Polônia reside no fato de que os poloneses fazem parte da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte), a organização militar de defesa mútua. Isso significa que um ataque aos poloneses poderia trazer todos os membros da organização ao conflito, numa resposta conjunta à Rússia. Isso certamente seria fatal para a vida no planeta como a conhecemos. 

Fato é que grandes guerras não começam do dia para a noite: são o acumulado de atos menores, de tensões que vão sendo escaladas até um ponto de não retorno. Grandes conflitos ganham essa proporção, e não simplesmente começam assim. A explosão na Polônia mostra não apenas que essa guerra pode sim ficar mais violenta, mais letal e envolver mais países. Mostra também como o conflito está longe do fim.

*João Alfredo Lopes Nyegray, doutor e mestre em internacionalização e estratégia. Especialista em Negócios Internacionais. Advogado, graduado em Relações Internacionais. Coordenador do curso de Comércio Exterior na Universidade Positivo. Instagram @janyegray

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
Comper
Sesc
Bio Caldo - Quit Alimentos