Setores de Academias, Economia Criativa e Beleza contrastam com cenário geral da economia e mantém otimismo

Segundo pesquisa realizada pelo Sebrae e IBGE, os três segmentos que estiveram entre os mais atingidos pela pandemia, têm boas perspectivas para 2023



Os pequenos negócios dos setores de Academias e Atividades Físicas, Economia Criativa e Beleza são os mais otimistas com a recuperação da economia brasileira em 2023. De acordo com a pesquisa Pulso dos Pequenos Negócios, realizada pelo Sebrae e IBGE, estes três segmentos, que estiveram entre os mais duramente atingidos pela pandemia, têm agora boas perspectivas, mesmo em um cenário geral marcado pela incerteza.

De acordo com o levantamento, 86% dos empresários de Academias e Atividades Físicas esperam um resultado melhor este ano em comparação com o ano passado. Esse otimismo é seguido pelos negócios de Economia Criativa (76%) e Beleza (75%). O quadro contrasta com a realidade vivida por esses segmentos no período da pandemia, quando eles estiveram entre os que registraram maiores perdas e entre os últimos a retomarem o nível de faturamento anterior à crise. Em março de 2020, por exemplo, as empresas de Economia Criativa chegaram a registrar uma perda média de 86% na receita e voltaram a sofrer com a segunda onda da pandemia, quando o faturamento caiu 64%. Realidade semelhante ao segmento de Beleza, que, segundo pesquisa do Sebrae realizada em abril 2022, ainda sofria com uma perda média de 34%, liderando entre os setores mais atingidos naquele momento.

Para o presidente do Sebrae, Carlos Melles, o fato desses três setores serem os mais otimistas com a retomada da economia pode ser compreendido como resultado de uma tendência de consumo que se consolidou com o fim da fase mais crítica da pandemia: a busca pelo bem-estar e o autocuidado.


“A pandemia impôs perdas, estresse e desgaste físico e emocional à população. É natural que agora, com a situação sob controle, as pessoas valorizem os produtos e serviços que proporcionem qualidade de vida, saúde, momentos de relaxamento”, comenta Melles.

Na média, a pesquisa do Sebrae e IBGE identificou que 67% dos pequenos negócios esperam um faturamento melhor neste ano, em comparação com 2022. Apenas 19% dos empresários esperam um ano pior e outros 14% acreditam que devem manter o mesmo resultado do ano passado.



Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
Comper
Sesc
Bio Caldo - Quit Alimentos