BRB

Mais de 13 mil artesãos movimentam a economia e preservam a cultura do DF

19/03/2024 - Mais de 13 mil artesãos movimentam a economia e preservam a cultura do DF - Fotos: Joel Rodrigues/ Agência Brasília
19/03/2024 - Mais de 13 mil artesãos movimentam a economia e preservam a cultura do DF - Fotos: Joel Rodrigues/ Agência Brasília

Só no ano passado, os eventos de artesanato promovidos pelo governo geraram uma média de R$ 1,5 milhão em vendas


Por Adriana Izel, da Agência Brasília | Edição: Vinicius Nader

Há 12 anos o brasiliense Vilmar Lima produz mandalas e cocares têxteis para vender. A atividade nasceu como um hobby, mas acabou virando uma forma de complementar a renda da família. "Sempre fui envolvido com dança e cultura e depois foi me despertando esse lado artístico. Peguei gosto, virou um hobby e também uma renda a mais", conta.

Para vender os produtos, o autônomo circula o Distrito Federal participando de feiras de artesanato. Na última semana, Lima expôs o trabalho na sede da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Renda (Sedet-DF), na 511 Norte, como parte do projeto de economia solidária da pasta. "Considero essas ações do governo muito importantes, porque abrem espaço para os artesãos do DF poderem engrenar na carreira e terem oportunidades. É uma porta que se abre", avalia.

Vilmar Lima começou a produzir mandalas e cocares como hobby e hoje o artesanato complementa a renda familiar dele | Fotos: Joel Rodrigues/ Agência Brasília
Vilmar Lima começou a produzir mandalas e cocares como hobby e hoje o artesanato complementa a renda familiar dele | Fotos: Joel Rodrigues/ Agência Brasília

Vilmar Lima está entre os mais de 13 mil artesãos do DF registrados no Cadastramento Único dos Artesãos do Brasil (Sicab). O segmento tem crescido nos últimos anos na capital junto às ações de valorização da categoria promovidas pelo Governo do Distrito Federal (GDF).

Hoje, a cidade conta com dois pontos de vendas para os artistas, nos shoppings Pátio Brasil e Alameda Shopping, e há a expectativa de que mais quatro sejam criados para ampliar os locais de comercialização dos produtos. Só no ano passado, a Secretaria de Turismo (Setur-DF) promoveu 87 eventos que geraram uma média de R$ 1,5 milhão em vendas para a categoria, além de ter prestado atendimento a 1.148 profissionais do segmento.

Sandra Madeira:
Sandra Madeira: "Nós incentivamos os artesãos a darem continuidade no trabalho deles por meio de linha de microcrédito e o cadastro MEI"

"Os artesãos são empreendedores que movimentam a economia, geram emprego e renda, e ajudam a preservar a cultura e a tradição por meio do artesanato", afirma o secretário de Turismo do DF, Cristiano Araújo. "Queremos inserir o artesanato de Brasília no mundo participando de feiras nacionais e internacionais", completou.

O artesanato é tão importante para o governo que diferentes pastas estão envolvidas na pauta. Um exemplo disso é a Sedet, que atua em dois segmentos. O primeiro é por meio da economia solidária, movimento que dá oportunidade aos trabalhadores de expor produtos nas agências do trabalhador, na sede da secretaria e em eventos parceiros, como o GDF Mais Perto do Cidadão. Para isso, basta o profissional se inscrever no projeto na sede da pasta. Ainda este ano será feito um chamamento público para a seleção de profissionais.

Linhas de microcrédito e auxílio na formalização por meio do Microempreendedor Individual (MEI) são outras ações da pasta. "Nós também incentivamos os artesãos a darem continuidade no trabalho deles por meio de linha de microcrédito e o cadastro MEI. Porque queremos incentivar a cadeia produtiva como um todo fazendo com que eles possam ganhar dinheiro e expor os produtos deles pelo DF", define a diretora da Cadeia Produtiva e Economia Solidária da Sedet, Sandra Madeira.

Pela perspectiva cultural, os artesãos são incentivados com o fomento do Fundo de Apoio à Cultura (FAC) no edital Multicultural – Cultura de Todo o Tipo. Foram investidos cerca de R$ 740 mil em iniciativas de cursos e oficinas de artesanato em regiões como Plano Piloto, Planaltina, Gama e Jardim Botânico.

Reconhecimento

Logo ao entrar na feira, o que mais chama atenção são os ipês. De todas as cores e tamanhos, o símbolo do Cerrado estava bem representado em forma de arte realizado cuidadosamente pelas mãos da artesã Daniela Pires Ferreira, de 30 anos. Ela e o esposo trabalham com artesanato há aproximadamente 15 anos. Para eles, é um orgulho poder representar o bioma onde vivem.

Daniela Pires Ferreira, 30 anos, trabalha como artesã há cerca de 15 anos
Daniela Pires Ferreira, 30 anos, trabalha como artesã há cerca de 15 anos

"Nosso objetivo é enaltecer o Cerrado e passar a mensagem de preservação. Resolvemos abrir mão de tudo o que fazíamos antes para a mostrarmos a nossa arte. Nós somos muito gratos por ter essa oportunidade de estar aqui. Agradecemos ao GDF por toda a força que nos concede durante essa trajetória", afirmou Daniela.

Para a artesã Maria de Jesus Cavalcante, 62 anos, o evento organizado pelo GDF reforça o compromisso em valorizar o trabalho manual do artesanato. "Não é todo mundo que valoriza o que a gente faz. A gente se dedica e é importante que todos vejam o resultado do nosso esforço. Eu me sinto muito representada quando a gente chega aqui e vê que está tudo montado, só aguardando os nossos produtos serem expostos. Eu só tenho a agradecer por todo apoio do governo aos artesãos do DF", elogiou Maria de Jesus.

Em 2019 a Setur-DF chegou a ter 7,4 mil artesãos cadastrados, aumentando esse número para 12,6 mil em 2022 e em 2023, subiu para 13,4 mil. A atividade artesanal, além de trazer melhorias nas condições de vida dos artesãos, contribui para o desenvolvimento econômico local de cada região. O artesanato está ligado à riqueza cultural bem como a uma forte vinculação com o setor turístico.

Governador Ibaneis Rocha celebra trabalho dos artesãos do DF em feira especial

O Governo do Distrito Federal (GDF) organizou um evento turístico especial para homenagear os mais de 13 mil artesãos da região, em celebração ao Dia do Artesão, comemorado nesta terça-feira (19). Durante a abertura da feira, realizada na área externa do Eixo Cultural Íbero-Americano, o governador Ibaneis Rocha enalteceu o trabalho desenvolvido por esses profissionais.

Em abertura de feira, governador Ibaneis Rocha enaltece trabalho dos artesãos do DF
Em abertura de feira, governador Ibaneis Rocha enaltece trabalho dos artesãos do DF

Segundo Ibaneis, os artesãos, que antes estavam "no ostracismo", agora têm seu ofício valorizado pelo governo, que vem ampliando os locais de venda para a exposição de seus produtos. Ele destacou a importância terapêutica e financeira dessa atividade, realizada "com todo amor e carinho".

O secretário de Turismo, Cristiano Araújo, mencionou outras iniciativas em andamento, como a qualificação dos artesãos para precificar adequadamente seus produtos e a busca por mais espaços de comercialização, aproximando-os dos consumidores finais.

A programação, que prossegue nos dias 22, 23 e 24 de março, conta com uma feira expositiva, atrações culturais, shows de artistas locais, apresentações teatrais e um espaço kids. O evento visa incentivar o turismo e movimentar a economia local, além de homenagear e contribuir para o desenvolvimento econômico e cultural dos artesãos do Distrito Federal.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
Comper
Sesc
Bio Caldo - Quit Alimentos