Paraná tem alta de 7% nas mortes em acidentes nas Rodovias Federais


Especialista explica a importância do uso do cinto de segurança para evitar o risco de acidentes fatais no trânsito 


O Paraná teve um aumento preocupante nos índices de acidentes de trânsito em suas rodovias federais nos primeiros quatro meses deste ano, em comparação com o mesmo período de 2023. As estatísticas da Polícia Rodoviária Federal (PRF) revelam um aumento de 7% nas mortes, totalizando 182 óbitos, 12 a mais do que no ano anterior. Paralelamente, dados da Secretaria de Estado da Saúde do Paraná indicam que as internações resultantes de acidentes de trânsito custaram ao estado 36 milhões de reais entre 2022 e 2023. 


Já em relação ao tipo de acidente com o maior número de fatalidades registrado foi a colisão frontal, com 56 casos em 2024, um aumento em relação aos 50 registrados em 2023. Em segundo lugar, temos a saída de pista, geralmente ocasionada pelo excesso de velocidade e pela perda de controle do veículo, responsável por 34 óbitos. Já os atropelamentos de pedestres seguem perto, com 28 pessoas que foram à óbito no Estado.  


A PRF relata que 56,2 mil condutores foram flagrados circulando acima do limite de velocidade permitido, enquanto outros 6,8 mil foram pegos realizando ultrapassagens em locais proibidos. Ambos os números representam um aumento em comparação com o mesmo período do ano anterior, com um incremento de mais de 10% nos flagrantes de excesso de velocidade. Outra preocupação é o não uso do cinto de segurança, com mais de mil flagrantes registrados pelas equipes da PRF de janeiro a abril deste ano. 


O uso do cinto de segurança é lei, além de reduz significativamente o número de vítimas fatais em acidentes. Pois, em caso de colisão, ele impede que o corpo do motorista, e dos passageiros, seja arremessado contra o volante, painel, para-brisa, e até para fora do carro. Segundo a Coordenadora do Curso de Engenharia da Faculdade Anhanguera, , o uso do cinto deve ser relado muito a sério pelo motorista, mas também por todas as pessoas que ocupam o veículo em movimento.  


‘’O cinto de segurança foi projetado para restringir o movimento dos ocupantes do veículo em caso de colisão ou desaceleração. Ele distribui a força do impacto por áreas mais amplas do corpo, reduzindo assim o risco de lesões graves ou mortes. Porém, é essencial que não apenas o motorista use, mas todas as pessoas que estiverem no carro. Por fim, é essencial que políticas públicas sejam feitas para alertar a população sobre a importância do uso do cinto para que haja, futuramente, diminuição de mortes fatais no trânsito”, conclui. 



Veja cinco fatos sobre a importância do cinto de segurança: 


Proteção em Acidentes 


Em caso de colisão ou desaceleração abrupta, o cinto de segurança mantém os ocupantes do veículo firmemente no lugar, reduzindo o risco de ferimentos graves ou fatais. 


Redução do Impacto 


O cinto distribui a força do impacto por áreas mais amplas do corpo, diminuindo o risco de lesões graves na cabeça, no peito e no abdômen. 


Evita Ejeção 


Em acidentes de alta velocidade, o cinto de segurança impede que os ocupantes sejam lançados para fora do veículo, o que pode resultar em ferimentos graves ou morte. 


Segurança  


O uso do cinto de segurança não apenas protege o próprio ocupante, mas também reduz o risco de ferimentos para os outros ocupantes do veículo, pois impede que corpos se tornem projéteis dentro do carro. 


Lei 


Em muitos lugares, o uso do cinto de segurança é obrigatório por lei. Não usá-lo pode resultar em multas e penalidades legais. 


“Mesmo em viagens curtas ou a baixa velocidade, o uso do cinto de segurança é essencial para garantir a segurança de todos os ocupantes do veículo”, explica Elaine.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem