Empresário de São José do Rio Preto, José Maurício Caldeira, constrói carreira internacional

A partir da cidade paulista de onde nasceu, o empresário projetou seu nome em empreendimentos internacionais do Grupo Asperbras

José Maurício Caldeira, sócio acionista do Grupo Asperbras. Foto: Divulgação.

Quando se graduou em Administração e Contabilidade, José Maurício Caldeira não imaginava que iria tornar-se sócio acionista do Grupo Asperbras. Não passava em sua mente a ideia de deixar São José do Rio Preto e mergulhar em outros continentes e comandar grandes empreendimentos.

A trajetória de sucesso de José Maurício Caldeira coincide com a da Asperbras, que começou no ramo de implementos agrícolas para irrigação, avançando, posteriormente, na fabricação de tubos de PVC e Rotomoldagem. O sucesso advindo da qualidade de seus produtos impulsionou a companhia a tornar-se um grande grupo empresarial, com atuações nas diversas áreas.

Atualmente, o grupo atua em vários Estados do Brasil, além de três outros continentes: África, Europa e América do Sul. Seu negócios abrangem os setores de alimentos, construções de infra estrutura, concessionárias de caminhões e ônibus, geração de energia passando também pela fabricação de placas de MDF e incorporação imobiliária.

DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO À ÁFRICA

Aos 13 anos de idade, Caldeira começou a trabalhar em escritórios de contabilidade em São José do Rio Preto. Já aos 18, ingressou na faculdade para estudar Administração de Empresas. Nesse período inicial de sua vida no mundo do trabalho, o empresário jamais imaginou protagonizar grandes projetos, ligados ao desenvolvimento de países como Angola e Congo.

Caldeira fundou seu próprio negócio em 1994. Depois de ter trabalhado por dez anos como administrador de rede de concessionárias e vendas de pneus, criou a consultoria JMC Consulting, que atualmente tonou se uma holding de investimentos pessoal fora do Grupo Asperbras. Ao ser indicado, em 2002, aos irmãos Roberto e Francisco Colnaghi, donos da Asperbras, para assessorar na internacionalização da empresa, período em que a ela estava prestes a iniciar seu primeiro empreendimento na África, Caldeira viveu um divisor de águas em sua carreira.

ANGOLA PÓS-GUERRA CIVIL

O empresário chegou ao país africano em um cenário pós-guerra. "Havia um país para ser refeito ali", relembra ele. O início foi um negócio de trading. Mas as demandas locais acabaram evoluindo e se transformando. Para suprir as necessidades, como o fornecimento de materiais de construção, acabou sendo desenvolvido um complexo industrial.

Obstáculos inesperados também surgiram como a grande barreira cultural, que iam de horários de expediente à postura perante o trabalho. "Respeitamos a cultura local, mas investimos na formação. Com isso, identificamos os melhores funcionários e proporcionamos a eles condições para que servissem de exemplo”, frisa o empresário. “O resultado dessa política é que hoje temos baixa rotatividade de mão de obra. Há pessoas em Angola que estão conosco desde o início. Tudo isso foi uma experiência muito gratificante", resume.

DESAFIO NO CONGO

José Maurício Caldeira deu mais um passo ao lado da Asperbras, em 2011, com a chegada da companhia ao Congo. A experiência angolana ajudou o grupo na iniciativa de investir em um novo distrito industrial em Brazaville, capital do país. Naquele período, a companhia chegou a empregar mais de cinco mil trabalhadores. Fez parte do desafio da empreitada lidar com um país cuja língua oficial é o francês. Uma das primeiras medidas adotadas consistiu em contratar profissionais portugueses, que conseguiam fazer a comunicação fluir em português e francês.

Caldeira frisa como um importante fator do sucesso a parceria com o presidente da Asperbras, José Roberto Colnaghi. Pondera que o otimismo e confiança de Colnaghi foram essenciais para atingir o equilíbrio nas decisões.

NOVOS INVESTIMENTOS

A Asperbras demonstrou confiança no país com investimentos arrojados em segmentos diversificados em 2018, período bastante conturbado na economia do Brasil. Apesar das incertezas no cenário econômico, a companhia inaugurou uma fábrica de MDF em Água Clara (MS), a GreenPlac; uma usina sustentável em Guarapuava (PR), a Abitte, uma nova marca para projeto imobiliários, que já  lançou vários  empreendimento e inaugurou a segunda fábrica de laticínios da Bonolat em Penápolis (SP).

Postar um comentário

0 Comentários