Prefeitura de Goiânia investe R$ 110 milhões por ano em bilhete único, que permite ao usuário troca de linhas em até quatro integrações gratuitas

Valor corresponde à contrapartida da administração municipal para assegurar manutenção da tarifa de R$ 4,30. Em vigor desde o início do mês, plataforma registrou mais de 31 mil integrações, na última sexta-feira (08/04)

Foto: Jackson Abraão.

Prefeito Rogério Cruz diz que implementação foi possível graças à modernidade dos sistemas do município, o que confere ao passageiro usufruir a integração entre linhas mediante tarifação única, além da flexibilidade de rotas.

A Prefeitura de Goiânia implantou, junto à Rede Metropolitana de Transportes Coletivos (RMTC), o bilhete único, que permite ao usuário troca de linhas em até quatro integrações gratuitas, pelo período de 2h30, a partir da primeira validação. O bilhete opera desde o dia 02 de abril, e a administração municipal investirá, anualmente, R$ 110 milhões para garantir a manutenção da tarifa no valor de R$ 4,30 para o usuário.

O prefeito Rogério Cruz destaca Goiânia como a primeira capital no Brasil a implantar um sistema de integração dessa magnitude. Segundo ele, a implementação foi possível graças à modernidade dos sistemas do município, o que confere ao passageiro usufruir a integração entre linhas mediante tarifação única, além da flexibilidade de rotas.

Quanto à tarifa, o prefeito da capital destacou que manter o valor pelo quarto ano é fruto da parceria entre governo estadual e prefeituras municipais. “O custeio do subsídio pelo poder público, sem aumento ao usuário, permite a economia de tempo e dinheiro no deslocamento, pois reconhecemos as demandas de quem depende do transporte público para trabalhar”, disse.

Na capital, o bilhete único foi implantado por meio do Cartão Fácil, em conversão automática. No primeiro acesso nos ônibus e terminais, o sistema fará o registro da biometria facial do usuário, o que viabiliza o uso adequado do bilhete. Desse modo, o bilhete é pessoal e intransferível.

Por não exigir que o usuário passe pelos terminais, o bilhete agiliza o trajeto em até 50 minutos, e reduz custos para o passageiro, uma vez que é pago o valor de R$ 4,30 em até quatro integrações, no período estabelecido.

Balanço apresentado pela Rede Metropolitana de Transportes Coletivos (RMTC) aponta que, na sexta-feira (08/04), foram registradas 31.040 integrações com o bilhete único. O volume representa 8,2% da demanda total da rede naquele dia, cujo fluxo foi de 379.740 validações. Os números mostram crescimento na adesão, uma vez que, no primeiro dia de operação, foram registradas 13.493 integrações.

Durante todo o mês de abril, equipes da RMTC orientam, nos terminais, estações do Eixo Anhanguera, além de pontos de embarque e desembarque, os usuários sobre o uso do bilhete único, organização de novos trajetos, desde o embarque até o destino final pelo aplicativo SimRmtc. Também são entregues folders explicativos.

O bilhete único é a primeira das melhorias previstas para o transporte público na capital. Nos próximos meses, o cronograma prevê o lançamento, por exemplo, do Vale Transporte Assinatura, Cartão Família, Bilhetes Um Dia e Uma Semana, Cartão-Pós-Pago, e Bilhete Meia-Tarifa.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem